Mitologia Grega: Hermes, a representação mítica da onipresença.

Quem me conhece (mesmo que seja só pelo twitter) sabe que minha grannnnde paixão é Cultura clássica grega, mais especificadamente Mitologia Grega. Sendo este um espaço para divulgarmos cultura, não poderia faltar aqui uma coluna que falasse sobre mitologia. Sem contar que está suuuper em moda, não é?! Bom, eu não poderia iniciar uma coluna sobre mitologia com outro deus grego que fosse o Hermes, afinal ele é “o cara”. Além de ser o responsável pelos portais, pela prosperidade... Enfim... Ele é o deus que possui o maior número de epítetos* da cultura grega! *Epíteto é um adjetivo, uma expressão que, associado a um nome, o qualifica, o descreve.

Hermes é um deus dicotômico por natureza, nascido de Zeus - o deus da pólis - e de Maia - uma ninfa das montanhas – pertence a todos os lugares e isso justifica os seus inúmeros e diferentes epítetos. Com apenas um dia de nascido, Hermes foi enfaixado e colocado dentro de um salgueiro, numa caverna do monte Cilene, enquanto sua mãe subia o Monte Olimpo para dizer que seu filho nascera morto, pois Hera, esposa ciumentíssima de Zeus, estava tentando impedir que Maia tivesse este filho. No momento em que é deixado pela mãe, Hermes se desfez das faixas e viajou até a Tessália para roubar o rebanho do rei Admeto, que estava sob o cuidado do deus Apollo, devido a um castigo de Zeus.

O bebê prodígio fez com que os animais andassem com as patas invertidas e prendeu um ramo de folhas em suas caldas para que as marcas dos passos fossem parcialmente apagadas Hermes percorreu quase toda Hélade tocando o rebanho e, contendo seu desejo por carne, ainda sacrificou duas novilhas para os deuses incluindo-se entre os olímpicos, formando o então panteão de doze deuses. No caminho, Hermes se depara com uma tartaruga e, de sua mente brilhante surge então a idéia de um instrumento musical, com o casco e as tripas da tartaruga ele cria a primeira lira, que posteriormente servirá de troca pelo rebanho de Apollo. Devido a esta primeira façanha, Hermes é considerado o deus dos pastores, aderindo aos epítetos* de Karneios - condutor de rebanhos e Kriophoros – O que leva o cordeiro.

Por ter roubado o rebanho de Apollo, Hermes passou a ser adorado também como o deus dos ladrões e tornou-se símbolo de todo movimento ardil e astucioso. Adquirindo uma personalidade trickster, que geralmente é representado por um personagem astúcioso e inteligente, um grande inventor e estrategista, mestre da trapaça e da arte. Geralmente, este personagem funciona como intermediário entre deuses (ou heróis) e homens

Tipicamente o trickster  possui a função de quebrar regras, transpor limites e criar confusões. E desta maneira, Hermes foi o trapaceiro que enganou Apollo, roubou seu rebanho e depois se cobriu em mantos e se apresentou a Zeus como um bebê inocente.

Esse deus, que se aproxima tanto das características de um simples mortal, logo passou a ser um deus adorado pelos homens, muito próximo a eles e por isso possui o epíteto de Philanthropos – amigo dos homens. O especialista em Grécia Antiga, Jean Pierre Vernant diz que, “ao contrário dos deuses longínquos, que residem em um além, Hermes é um deus próximo, que freqüenta esse mundo. Vivendo em meio aos mortais, em familiaridade com eles”. Sabendo disso, Zeus, no canto XXIV da Iliada, de Homero, recorre a Hermes para ajudar Príamo, rei de Tróia a recuperar o cadáver de seu filho Heitor, capturado e morto por Aquiles: “Hermes, já que teu mister preferido é o de ser companheiro de um  homem e com ele conversar a vontade, vai e conduz Príamo aos côncavos navios dos aqueus”

Essa proximidade com os mortais levou alguns estudiosos a crerem que Hermes era um dáimon,ou seja, uma forma genérica de um deus que se transformou em deus na religião grega. Os dáimones eram criaturas da natureza, criadas por Zeus para auxiliar os homens.  Eles representavam as características dos homens, como a morte, velhice, sono, amor etc. Estas criaturas possuíam asas, que permitiam que vagassem pela terra ajudando os seres humanos, eles não eram vistos, mas eram sentidos. Hermes, mesmo sendo um deus olímpico, possui características de um dáimon como, por exemplo, seu poder de voar. Acredita-se que em religiões mais antigas, Hermes possuía asas que, posteriormente, foram transformadas em um artefato externo ao seu corpo e por isso, ele sempre é retratado com suas sandálias aladas e muitas vezes, com asas.

Hermes, o menino prodígio, arteiro e gentil é tão amado, que permanece até a hoje no nosso imaginário. Sua importância é tamanha que atualmente é emblemático dos mitos e lendas da Grécia Antiga e sua imagem estampa as capas dos livros da maioria escritores sobre o assunto.

“Assim pois, salve, salve, rebento de Zeus e de Maia, Certamente de ti noutro canto haverei de lembrar”(Homero, 2003)

Referências: 
- BRANDÃO, Junito. Mitologia Grega vol II. 18º Ed, Petrópolis: Ed. Vozes, 2009.
- HOMERO. Hinos Homéricos.  tradução: Jair Gramacho, Brasília: Ed. UNB, 2003.
- ________. Ilíada - em forma de narrativa – Rio de Janeiro: Ediouro
- VERNANT, Jean-Pierre. Mito e pensamento entre os gregos: estudos de psicologia histórica – Rio de Janeiro: Ed. Paz e Terra, 1990

4 Comentários:

Jheyscilane disse...

Wow A mitologia Grega é mesmo fascinante, no momento eu estou lendo a coleção * Percy Jackson e os Olimpianos - ok eu sei que é literatura juvenil... mas eu até que estou gostando* só que nesse livro *no primeiro da série* eu achei que o autor do mesmo desmereceu um pouco de Hermes, como eu não conhecia a história dele... eu achei meio que estranho, na verdade ele é retratado como um reles mensageiro e astuto *eu entendi assim* falo d+ senhor! Adorei o post *-*

Coruja de Café disse...

Ah que legal Jheyscilane!! De fato ele é um deus muito citado, mas com uma fama de ser menor do que os outros... Isso acontece, principalmente, pelo fato dele ser muito próximo aos homens, aos mortais. Enfim, fico muito feliz que estja gostando do blog! Acompanhe... Vem muitas outras promoções e noticias por ai!!!

beijinho

Ademar Júnior disse...

Olá Querida Anne...

Eu simplesmente sou fascinado por mitologias, já te disse isso. Em especial a Grega que foi quem me introduziu a fantasia e me apresentou as demais mitologias.
Hermes é um dos meus deuses gregos favoritos, e detalhe é o nome de meu avó parteno e de um primo. E era o nome da rua que eu morava em Uruçuí, hehehe. Mas não é por isso que prefiro ele, para mim ele simboliza a comunicação e a liberdade.

Mitologia grega era minha maior fascinação na adolescência, parei um pouco, mas agora com seu blog maravilhoso, do qual farei parte em breve, todo o interesse está voltando!

Parabéns!

Bruno 08 disse...

Achei muito legal a imagem que você postou. Posso perguntar onde a encontrou?

Postar um comentário

Comente, participe! Este também é um espaço seu!